REGIÃO

Projeto da ponte perde recursos da bancada


  • Por
  • 20/10/2018 - 11h00
Comemoração do protetor da Capital das Missões iniciará neste domingo, 30

O projeto da Ponte Internacional Porto Xavier/San Javier perdeu recursos da bancada gaúcha. A confirmação aconteceu, na quinta-feira, 18, durante reunião do ministro do Transportes, Portos e Aviação Civil, Valter Casimiro, com deputados e senadores gaúchos, em Brasília.
O ministro anunciou que os R$ 56 milhões previstos para a obra da ponte serão destinados a duplicação da BR 116 no sul do Estado entre Tapes e Barra do Ribeiro.
De acordo com membro da Comissão Regional Pró-Ponte Porto Xavier/San Javier Ovídio Kaiser, a transferência dos recursos aconteceu pela falta de tempo hábil para abrir o processo de licitação da obra, devido aos trâmites burocráticos.
“O presidente da bancada gaúcha, Giovani Cherini, explicou que por ser uma emenda impositiva de bancada, se não fosse usado neste ano se perderiam os recursos. Nos explicou que havia duas opções: nós entrarmos num acordo com o compromisso dos parlamentares gaúchos de que destinem recursos para o projeto da ponte no orçamento de 2019 (que será votado no dia 30 de outubro). Caso não entrássemos num acordo seria feita votação secreta para definição dos recursos. Acabamos aceitando o acordo”.
Kaiser explica que o anteprojeto foi feito com antecedência, mas questões tecnocratas e burocráticas dificultaram o processo.
“Havia necessidade de aprovação do anteprojeto pelo Dnit e agendamento de uma reunião com a Comissão Binacional Brasil/Argentina para discutir a licitação da obra da ponte. No entanto teve um novo acórdão, definido a poucas semanas, que estabeleceu a necessidade da Licença Prévia de Meio Ambiente - algo que não era exigido anteriormente. Com isso nosso anteprojeto teve que sofrer adequações. Diante desta mudança tudo ficou mais difícil”.
A comitiva da AMM que esteve em Brasília contou com a participação do presidente da associação e prefeito de Rolador, Paulo Peixoto, o prefeito de Porto Xavier, Vilmar Kaiser, e do ex-secretário executivo do Detur Missões, Marcos Mattos.

PUBLICIDADE
').insertAfter(ps.get(i - 2)); }