PRESENÇA ESPÍRITA

Vamos viver a vida?


  • Por
  • 10/07/2018 - 09h06

O planeta terra está passando por grandes transformações. Temos mudanças boas, mas também temos mudanças tristes. As pessoas estão cada vez mais se isolando de tudo e de todos. É a tecnologia, é a correria do dia-a-dia, é a busca da sobrevivência...
Enfim, o ser humano, pelo que estamos percebendo, não acha tempo para refletir, para pensar, para dividir, para conversar, para amar... E o resultado da falta do acolhimento familiar está levando-o ao desalento, ao desespero, à solidão e até o autoabandono. A maioria considera-se infeliz, quando não alcança o objetivo de seus desejos ou não satisfaz suas vontades e entram em pensamentos negativos, achando que nada mais vale a pena. E o que acontece? Partem para ideias suicidas.
Nas casas espíritas estão chegando muitos jovens com estas ideias, achando que a existência terrena está muito sem graça, chegando a extremos de medicações impróprias, o que a Doutrina não recomenda. As pessoas desabafam achando que esta mudança os libertará do sofrimento terreno. Ledo engano!
Quem parte para este engodo não deve confundir os prazeres da vida com a verdadeira felicidade. Os prazeres são passageiros, fala aos nossos sentidos apenas durante algum tempo. A felicidade é um estado de espírito.
Depende apenas de nós mesmos, da consciência tranquila, de nossa paz interior. O suicídio não liberta ninguém do sofrimento, muito pelo contrário, agrava ainda mais os males daqueles que recorrem a falsa ideia de descanso.
O que escutamos mais dos desabafos destes irmãos em desespero? Separações, desentendimentos entre pais e filhos, desemprego, falta de atenção e carinho, muitas cobranças, preconceitos, autoaceitação de gênero, enfim... São tantos os motivos que os levam ao desespero.
O suicídio não liberta ninguém do sofrimento. A alma sobrevive a essa perda, mas fica marcada por um gesto que os comprometem perante as Leis de Deus. Grave erro cometem aqueles que acham que vão se livrar dos problemas. No outro lado da vida, os problemas serão maiores por terem tomado tal atitude.
Não fujamos da vida. É preciso reagirmos e encontrarmos uma razão de viver. A vida é uma só e vamos continuar vivos na espiritualidade. Estudemos, conheçamos outras pessoas, façamos novos amigos, procuremos amar a nós mesmos, busquemos um trabalho voluntário, vamos buscar ajuda em nossa religião. Vamos ver, sentir e enxugarmos as lágrimas de irmãos que se acham doentes mas que lutam pela vida. Vão conhecer os consultórios oncológicos; façam uma visita no CACON de Ijuí, e verão quantos irmãos estão lá, agradecidos pela oportunidade da medicação, cheios de coragem e fé que vencerão a provação que estão passando.
Através deste exemplos as pessoas encontrarão o alívio para os seus sofrimentos, que perto daqueles que querem viver, são muito pequenos! VIVAMOS A VIDA, todos os dias e com alegria, com fé em Deus e tenhamos uma certeza: Nunca mais estes pensamentos tristes voltarão. CONFIEMOS NO PAI!
Aos queridos leitores e amigos deixo o meu carinho. Até terça-feira com muita paz!

PUBLICIDADE
').insertAfter(ps.get(i - 2)); }