HOGUE

A ùltima do ano


  • Por
  • 26/12/2017 - 16h55

SÓ PARA LEMBRAR
Os vereadores que votaram pela redução das alíquotas do FABS estão sendo duramente criticados, especialmente nas chamadas redes sociais. E, como sempre ocorre na internet, nem sempre a educação é o ponto alto dos comentários. Mas era uma reação prevista. Reclamar disso agora não adianta. Isso deveria ter sido levado em consideração na hora de definir o voto.

POSTURA
Volto a afirmar que um agente político eleito pela comunidade não possui o direito de se omitir em votações de projetos extremamente importantes. A covardia da omissão não cabe para quem possui tanta responsabilidade outorgada pelo povo. Reclamar das críticas se dizendo injustiçado não apaga o desapontamento causado em quem o elegeu. O vereador Vinícius Makvitz (PMDB) já tem experiência suficiente para saber disso e jamais poderia ter deixado de votar no projeto das alíquotas do FABS. Deveria defender seus colegas servidores municipais ou pagar o preço de seguir a orientação da administração municipal.

TIRARAM O P
O PMDB volta a ser MDB anuncia a direção partidária. Mas não é bem assim. O MDB era um movimento de políticos que não se alinhavam ao sistema ditatorial. Aqueles que estavam com o governo da época pertenciam a Arena. Com a redemocratização e o pluripartidarismo, no início da década de 1980, sairam do MDB os líderes que formaram o PMDB, o PTB, PDT, PT e desses as dissidências que vieram a seguir e os “caranchos” em busca de dinheiro resultaram nessa orgia de siglas. Então, o PMDB é tão sequência do MDB como todos os demais. Agora, com a fixação em retirar a palavra “partido” das siglas eles resolveram usar a antiga. É só isso. Não é retomada.

COLUNA
A coluna entra em período de férias e retorna em 2018, na esperança de que o novo ano seja melhor para todos. Até lá.

PARA REFLETIR
“Se você abre uma porta, você pode ou não entrar em uma nova sala. Você pode não entrar e ficar observando a vida. Mas se você vence a dúvida, o temor, e entra, dá um grande passo: nesta sala vive-se! Mas, também, tem um preço... São inúmeras outras portas que você descobre. Às vezes curte-se mil e uma. O grande segredo é saber quando e qual porta deve ser aberta. A vida não é rigorosa, ela propicia erros e acertos. Os erros podem ser transformados em acertos quando com eles se aprende. Não existe a segurança do acerto eterno”. Içami Tiba.

PERGUNTAR NÃO OFENDE
Quem será o próximo a ser solto pelo Gilmar “Actívia” Mendes?

PUBLICIDADE
`).insertAfter(ps.get(i - 2)); }