GERAL

Família santo-angelense mostra contrastes culturais da Rússia na torcida pelo hexa brasileiro


  • Por
  • 05/07/2018 - 14h27

Desde o dia 1º de julho, uma família de santo-angelenses está acompanhando de perto os jogos do Brasil na Copa do Mundo da Rússia. Carlos Kruber relatou detalhes da experiência de sua família naquele país durante entrevista ao programa Aldeia Global, na Rádio Sepé.
O santo-angelense, juntamente com o pai (Carlinhos) a mãe (Neiva) e o irmão (Fábio), esteve no estádio de Samara quando assistiu ao jogo em que o Brasil derrotou o México pelo placar de 2 a 0 com gols de Neymar e Roberto Firmino. No caso do jogo em Samara ele explicou que sua família teve que fazer uma longa caminhada até o acesso do estádio. “Os pontos de ônibus e táxi ficam longe do estádio e tivemos que fazer uma longa caminhada. Apesar disso, foi uma experiência incrível acompanhar o jogo do Brasil num belo estádio com torcedores do mundo todo. Para as pessoas terem uma ideia no dia do jogo a temperatura registrada foi de 34 graus”.

SEGURANÇA
O santo-angelense destacou que um forte esquema de segurança foi montado para a copa. “Estão sendo feitas revistas das pessoas nas entradas dos hotéis com detector de metais e uso de espelhos para verificar a parte debaixo dos automóveis. A fiscalização é rigorosa, mas acontece de uma forma sutil. Ao todo são duas revistas. Há guardas por todos os lugares fazendo a segurança. Samara é uma cidade industrial que abastece Moscou e outras regiões da Rússia com uma série de produtos. Cabe observar que o governo russo disponibilizou vários ônibus para os turistas se deslocarem para o centro, aeroportos e outros pontos estratégicos das cidades onde ocorrem os jogos”.
O turista salientou que a passagem da sua família por Samara foi tranquila. Verificamos muitas pessoas auxiliando os turistas na tradução. “Os russos são muito receptivos. Fizeram questão de tirar fotos conosco quando souberam da nossa nacionalidade. Num destes contatos com um taxista russo ele comentou sobre Neymar. Ele observou que o atleta brasileiro caía muito no gramado”.

MOSCOU
Hospedados com a família em Moscou, Carlos disse que a próxima parada agora é em Kazan onde vai assistir ao jogo do Brasil contra a Bélgica, às 15 horas, no horário de Brasília. “Vamos de avião de Moscou para Kazan. As duas cidades ficam distantes cerca de mil quilômetros. O tempo de viagem é de uma 1h40min. Deveremos chegar às 10 horas da manhã na cidade (4 horas no horário Brasil). Acreditamos que em Kazan será melhor. A cidade é turística com mais estrutura comparado a Samara. Nossa ideia é circular pela cidade antes da partida da seleção brasileira. Estamos na torcida acreditando que o Brasil passa para a próxima fase rumo ao hexacapeonato. Aliás, os russos acreditam no favoritismo do Brasil e até pensam numa final contra a Rússia”.

POLÍTICA
Carlos revelou que nos contatos com os russos tentou saber da situação do país e da política implementada pelo presidente Vladimir Putin. “Os russos evitaram falar de política. Talvez porque preferem esquecer os problemas de seu país e até mesmo do mundo para entrar no clima da copa, um tempo de festa e alegria”.

LEGADO DA COPA
Em sua passagem em Moscou o santo-angelense pode observar um grande parque construído ao lado da Praça Vermelha e próximo ao rio Moscou. “Esse lindo parque é um legado que a Copa do Mundo está deixando para capital russa que neste período tem tido uma temperatura média de 12 a 19 graus”.

 

PUBLICIDADE
').insertAfter(ps.get(i - 2)); }