GERAL

Confirmados cinco casos autóctones de dengue


  • Por
  • 06/04/2019 - 11h37
Aplicação com o chamado UBV costal é realizada após a confirmação dos casos

O coordenador da 12ª Coordenadoria Regional de Saúde, Yuri Sommer Zabolotsky, afirmou que foram confirmados mais três casos de dengue autóctone, além dos dois que já haviam sido confirmados anteriormente em Santo Ângelo.
Yuri também diz que os outros municípios da região estão em uma situação mais tranquila e até o momento não foram registrados novos casos. “Até participei de uma reunião em São Borja, pois existe uma preocupação muito grande lá, devido ao número de casos na Argentina e ficou acertado que no dia 16 será feita uma grande mobilização na ponte de São Borja”, diz.

SANTO ÂNGELO
A coordenadora da Vigilância Ambiental de Santo Ângelo, Selenir Arruda, afirmou que até o momento foram confirmados um caso de dengue autóctone no bairro Aliança, um no Jardim das Palmeiras e três casos na Zona Norte entre as ruas Rodolfo Rogowski e 15 de Novembro. Ainda conforme a coordenadora tem mais cinco casos suspeitos aguardando resultado da Lacen, sendo dois ou três na mesma região da cidade.
Assim que surge um caso suspeito a equipe da Vigilância Ambiental do município realiza um bloqueio de transição manual e presta orientações aos moradores. Quando o caso é confirmado, Selenir explica, que é aplicado o UVB pesado com o carro, mas o trabalho é feito pela equipe da 12ª Coordenadoria de Saúde com o apoio do Ministério da Saúde.

PREVENÇÃO
Selenir alerta a população para os cuidados com o mosquito Aedes Aegypti e vê com grande preocupação o hábito da população de armazenar a água da chuva em recipientes destapados. “Nossa equipe chega em muitas residências em que o depósito de armazenamento de água da chuva está aberto e cheio de larvas”, fala.
Para a coordenadora está havendo um descaso muito grande por parte da população e enfatiza que cada um deve cuidar da sua residência. “Se a comunidade não auxiliar não tem como evitar um surto”. Uma das dicas da coordenadora para a população é que estes toda vez que para a chuva revisem todo o pátio, assim evitando focos do mosquito.
Outra situação, relatada por Selenir é em relação as borracharias. Conforme ela, os donos de borracharia devem ter consciência de que o material de descarte é responsabilidade deles e que estes devem dar o destino correto. “Já chegamos em borracharia com pneus desprotegidos e com água parada”, explica.

PUBLICIDADE
').insertAfter(ps.get(i - 2)); }