CIDADE ALERTA

Racha no bolsonarismo local


  • Por
  • 06/11/2018 - 15h54

Só para lembrar

Existe a disposição do governo Bolsonaro em aprovar a Reforma da Previdência ainda neste ano.
Entretanto, a proposta pode esbarrar justamente na falta de interesse de parlamentares que não estarão no Congresso no ano que vem. Esse é um entrave considerável.

Racha no bolsonarismo local

Uma nota sobre possibilidades políticas é uma informação que pode ou não ser confirmada. Nota nesta coluna tratando da aproximação de vereadores pedetistas com o PSL causou uma série de comentários, muitos deles totalmente fora de contexto. Teve quem falou que não existe nenhuma cogitação de coligação entre os partidos, quando isso sequer foi levantado.
Até o nome do deputado estadual eleito Aparecido Macedo foi contestado. A crítica deu-se pelo não uso de Capitão Macedo e sim o nome do político. Entendo que ele estará na Assembleia e não na caserna.
Sinceramente não entendi toda a “revolta” em cima da informação publicada. Porém, depois lendo publicações de pessoas que se envolveram na recente eleição comprovei que o fato está na disputa interna do PSL. Existem dois grupos, os considerados “puros”, que iniciaram o projeto Bolsonaro muito antes disso virar “moda” e aqueles que se agregaram no decorrer da campanha. E como tem gente já anunciando planos para a eleição municipal, isso acaba desagradando os demais.
Porém, muita água ainda vai rolar por debaixo dessa ponte e não existe ninguém que tenha controle sobre o que irá acontecer em 2020. O sucesso de hoje não tem garantia de perdurar. Já assistimos esse filme repetidas vezes. Sem contar que existe uma série de fatores que diferenciam por demais uma eleição municipal da estadual.

 

Notas daqui e dali

Notas daqui e dali foram publicadas neste fim de semana nas redes sociais, onde fica bem claro que existe, sim, uma disputa interna do PSL.
O policial federal Nívio Braz, que pelo que sabe coordenou as campanhas vitoriosas dos deputados Ubiratan Sanderson e Luciano Zucco, publicou nota falando em reengenharia política, dizendo ser momento de análise e paciência. Chegou a falar na suspensão da criação de diretórios do PSL em todo o País. Só com orientação nacional, a política partidária prosseguirá pensando em 2020.
Entretanto, o grupo de Nívio trabalhou para os candidatos Ubiratan Sanderson e Zucco. Já os demais encamparam as campanhas de Eron Garcia a federal e Macedo. Aliás, Eron e Macedo são presidente e vice do PSL local. E também publicaram uma nota abordando o assunto e citando pessoa que “não se engajaram na campanha do Capitão Macedo” e sim trabalharam para um candidato da Capital.Afirmam até em “medidas jurídicas” que estaria sendo tomadas.
É esperar para ver o que acontecerá nos próximos capítulos.

 

Na pressão

Uma medida correta que o presidente eleito está fazendo é apressar a solução de algumas situações que já deveriam estar resolvidas.
Quer assumir com essas etapas já vencidas para poder enfatizar outras ações igualmente necessárias.
Ganhar tempo é necessário diante da complexidade do desafio.

 

Estacionamento rotativo

Algumas questões estão sendo discutidas em relação ao estacionamento rotativo de Santo Ângelo.
O vereador Vando Nolasco (PDT) apresentou projeto para discutir o tempo de tolerância e o prazo para pagamento da chamada pré-multa.
A questão deve ser mesmo discutida na Câmara de Vereadores. Mas penso que vai além disso. Por exemplo, a população precisa saber qual o valor que fica para o Município e onde ele é aplicado.

PUBLICIDADE
').insertAfter(ps.get(i - 2)); }