Vereador do PP denuncia possível superfaturamento em instalação de pia

Arquivo pessoal

 

Num momento em que o uso do dinheiro público tem que ser o mais rigoroso possível-e isso é cobrado pela população, uma denúncia chamou a atenção na sessão de segunda-feira, 24, da Câmara de Vereadores de Santo Ângelo.
O vereador Getúlio Zborowski (PP) apresentou dados que recolheu do site do Tribunal de Contas do Estado (TCE) dando conta que a Prefeitura de Santo Ângelo pagou R$ 1.850,00 para a instalação de uma pia no escritório do Procon. O valor é considerado excessivo, tendo em vista o orçamento realizado por Getúlio junto ao comércio local.
“Trata-se de um valor pequeno. De um trabalho simples. Mas se essa discrepância ocorre numa obra desse porte, o que podemos pensar das licitações de grandes valores?”, indaga Getúlio. “Se tem alguma coisa palpável que a gente que é leigo consegue encontrar, imagina obras de R$ 180 mil, por exemplo, como uma calçada numa praça”, acentua.


VALOR DO COMÉRCIO
O Procon está localizado no terceiro andar no prédio da Secretaria Municipal de Saúde, no antigo Fórum. Ao verificar a relação de despesas do município de Santo Ângelo no site do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Getúlio deparou-se com o pagamento pela instalação da pia. “No site do TCE tem muitas coisas que não dá para dimensionar, como por exemplo as chamadas empreitadas globais ou serviço de manutenção. Fica ruim para quem não é do ramo compreender o valor pago é justo ou não. Mas no caso da pia fiquei intrigado e decidi investigar”, conta.
O valor destacado no site do TCE apontava a
contratação em 21 de fevereiro e o pagamento em meados de março deste ano de R$ 1 mil em materiais e R$ 850,00 em mão-de-obra. Getúlio fotografou a pia e foi ao comércio verificar os valores. “Encontrei exatamente o mesmo balcão e pia e para minha surpresa, o valor é de R$ 250,00 o balcão e R$ 120,00 da pia, somados R$ 370,00. Foi instalada mais torneira de plástico e alguns metros de cano com conexões. Nao chega a R$ 400,00”, diz.
Ele também considera o valor da mão-de-obra excessivo. “Primeiro que a Prefeitura tem nos seus quadros um instalador hidráulico. Portanto, não precisaria pagar pelo serviço. Segundo, se fosse na minha casa e o instalador me cobrasse R$ 200,00 eu iria pechinchar e deixar por R$ 150,00 para um trabalho de uma hora e meia ou duas horas”, avalia e acrescenta: “Sem contar que o material deu R$ 1 mil redondinho, o que convenhamos é bem difícil de acontecer”.


“GAMBIARRA”
Além disso, Getúlio aponta desleixo e problema ambiental na instalação. “Ficou uma gambiarra”, define.
Embasado por fotos que fez no local, o vereador destaca que na parte frontal do prédio podem ser verificados canos marrons subindo e uma manga amarela descendo. “Os canos levam a água e o esgoto da pia desce pela manga e cai na calha pluvial do prédio. O esgoto se mistura com a água da chuva. Se fizer isso na sua casa, a Secretaria do Meio Ambiente, Corsan, etc, vão encontrar”.


GRAMA
Getúlio ainda cita outro pagamento feito pela Prefeitura de Santo Ângelo que chamou a sua atenção. “No dia 9 de fevereiro, a Prefeitura pagou R$ 350,00 para cortar a grama do posto de saúde do Centro Social Urbano. Fui até lá. Uma meia manhã de serviço. E a Secretaria Municipal do Meio Ambiente tem equipe para isso”.
O vereador ainda reforça que são dados oficiais do site do TCE.
“Vou entrar em contato com TCE para que isso seja reparado, apontado, ou que tenham mais cuidado nesse tipo de obra. Tem coisa mal contada nisso aí. Se tiver algo que não tiver no site, me retrato, mas o que está descrito no site é o que apuramos”, destaca e reforça: “São duas coisas que achei um absurdo. Conheço o prefeito Jacques Barbosa, sei que é idôneo, mas tem que cuidar, porque daqui a pouco será solidário por alguém da cadeia de comando dele”.

 

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar