Indiciadas quatro pessoas por estupro e exploração sexual de adolescente

 

 

A Delegacia de Polícia Civil de Guarani das Missões encerrou, nessa semana, um inquérito policial que investigou, durante dez meses, um grupo de quatro pessoas, dois homens e duas mulheres, moradores de Guarani das Missões, acusados dos crimes de estupro de vulnerável, exploração sexual e embaraço a ação judicial. Os indiciados são dois homens e duas mulheres.

 

Segundo delegado Heleno dos Santos, que comandou as investigações, uma adolescente de 16 anos que tinha problemas mentais e morava em Guarani das Missões, era explorada sexualmente por duas parentes, uma tia e uma prima, que a forçavam a manter relações sexuais com homens em troca de dinheiro. 

 

O delegado revelou que após tomar conhecimento dos casos de exploração, o Poder Judiciário local determinou a internação da adolescente em um abrigo da região. No entanto, quando a vítima ia até Guarani das Missões para visitar seus pais, um homem de 55 anos a procurava e se aproveitava de seus problemas mentais para manter relações sexuais com a vítima. Muitas vezes à força, sem pagamento de qualquer valor.

 

Além disso, um homem de 44 anos de idade também teria abusado sexualmente da vítima. Ele teria sido proibido pela Justiça de Guarani das Missões de se aproximar da adolescente, porém, segundo a Polícia, o homem teria descoberto o endereço do abrigo em que a adolescente estaria internada, ido até o local e convencido a jovem a fugir. Ele teria levado a jovem até uma cidade da Serra Gaúcha, onde se apresentou como namorado da adolescente. Os pais da vítima alegaram desconhecer os relatos de estupro e exploração sexual.

 

O inquérito policial que apurou os fatos foi remetido ao Poder Judiciário essa semana, as penas que podem ser aplicadas aos investigados podem alcançar, em alguns casos, 15 anos de reclusão. A Polícia Civil dispõe do telefone 197 para o recebimento de informações a respeito de qualquer crime, é garantido o sigilo absoluto da identidade de quem colaborar com a polícia.

 

 

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar