Farsul descarta influência de variação cambial no aumento do pão no RS


 

A informação de que o preço do pão irá ser reajustado em decorrência do au­mento do dólar é re­futada pela Federação da Agricultura do Rio Grande do Sul. A entida­de admite que o produto deverá ficar mais caro, mas considera um equí­voco responsabilizar o trigo pelo novo valor.

 

O presidente do Sis­tema Farsul, Carlos Sperotto, afirma que o aumento ocorrerá em consequência do atual processo inflacionário da economia nacional. Apesar da elevação cambial, o preço do trigo vem recuando no último ano. O valor do buschel (27,2155 kg), atualmente em US$c 494, era cotado em US$c 639, em março do 2014. A diferença re­presenta uma queda de 22,8% nos últimos 12 meses no mercado in­ternacional.

 

No Brasil o quadro é semelhante. O saco de 60kg caiu de R$ 32,81 (mar/14) para R$ 25,42 (mar/15), variação de - 22,5%. Em relação ao trigo, hoje está mais ba­rato produzir pão do que no primeiro trimestre de 2014. Mas, mesmo com o preço do grão menor, o produto já vem subindo no último ano. O valor médio do quilo do pão francês praticado pelo varejo brasileiro em fe­vereiro de 2014 era de R$ 8,50. No mês passa­do ele chegou a R$ 9,45.

 

Isso representa um au­mento de 10%. A Farsul indica o processo infla­cionário como respon­sável por esse reajuste, com destaque para os aumentos na energia elétrica, combustível, mão de obra e aluguéis, e continuará influen­ciando nos próximos meses. Para Sperotto, se as panificadoras querem reduzir seus custos de produção devem optar pelo produto brasilei­ro. “Se a indústria quer se proteger da variação cambial e diminuir cus­tos só precisa escolher pelo trigo nacional pa­gando preço justo ao produtor”, afirma.

 

Foto: Divulgação

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar