Tânia Santiago espera que a educação não seja apenas um slogan de campanha

 

Quase mil professores com contratos temporários exonerados no mês de dezembro do ano passado reclamam a falta de pagamento de 13° salário e férias pelo Governo do Estado.

 

A maioria foi exonerada e apenas souberam da decisão ao retornaram para as escolas neste mês de janeiro. Em entrevista ao programa Aldeia Global da Rádio Sepé, a coordenadora de Educação, Tânia Santiago, disse não saber quantos professores se encontram nessa situação em Santo Ângelo.

 

A coordenadora, que já atuou como adjunta na 14ª CRE, durante o governo Tarso Genro (PT), disse que pretende avaliar o quadro na busca de soluções. “Não temos esse número, mas faremos um levantamento. Acreditamos que não ficarão pendências do Estado com uma categoria tão sofrida como é a dos professores. Sabemos da burocracia, mas vamos procurar agilizar esse processo até nos preenchimentos de vagas por professores temporários depois de uma avaliação.

 

Não existir demora numa categoria que precisa ser bem remunerada. Que a educação seja realmente priorizada pelo governo e que esta não seja apenas um slogan de campanha, mas uma bandeira do Estado e do País”, observou.

 

MATRÍCULAS

 

A coordenadora de Educação, Tânia Santiago, explicou que de 23 a 30 de janeiro ocorre a segunda etapa das matrículas na rede estadual de educação. “As rematrículas ocorreram em outubro do ano passado. A primeira etapa das matriculas aconteceram até o dia treze e agora vai começar o período para aqueles que pretendem efetuar transferências ou que estão se matriculando no primeiro ano do ensino médio”, ressaltou.

 

As matriculas poderão ser feitas no site www.educacao.gov.br ou diretamente nas escolas da rede estadual. Em Santo Ângelo são 20 escolas estaduais e cerca de seis mil alunos. Na área de abrangência da 14ª Coordenadoria Regional de Educação são 11 municípios e 40 escolas.

 

Foto: Banco de dados/AT

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar