Ministro defende revisão do currículo do Ensino Médio

 

Se nos anos iniciais do ensino fundamental o Brasil superou a meta na avaliação do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb), o desempenho nos anos finais e no ensino médio ficou abaixo do esperado. Dados que preocupam o ministro da Educação, Henrique Paim, que reforça a necessidade de qualificar o currículo e a formação e valorização dos professores.

 

Das etapas da formação dos alunos avaliadas pelo Ideb, o país só ficou acima da meta nos anos iniciais do ensino fundamental (1º ao 5º ano). Em relação a 2011, a nota subiu de 5 para 5,2, acima da meta de 4,9. Já nos anos finais (6º ao 9º ano), a nota subiu de 4,1, para 4,2, abaixo dos 4,4 da meta. No ensino médio o país estagnou em 3,7, sendo que a meta era de 3,9.

 

 

Para Paim, as mudanças previstas pelo Plano Nacional de Educação (PNE) ajudarão a melhorar a performance do ensino médio. Um dos principais desafios é proporcionar e ampliar a formação continuada dos professores, além de revisar o currículo, a fim de aproximar o ensino médio e a formação técnica. "Não é um tema fácil, mas o Brasil precisa enfrentar essa questão curricular", disse.

 

Já o bom desempenho nos anos iniciais, segundo o ministro, reflete uma preocupação mais antiga do país com esta etapa da formação dos estudantes. Na última década, o governo federal tratou de reforçar assistências que já existiam, como livro didático e alimentação escolar.

 

Henrique Paim negou motivação eleitoral na demora da liberação dos resultados. Para ele, o maior volume de recursos exigiu "cautela" do governo e provocou o atraso.

 

 

Foto: Divulgação

 

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar