Santo Ângelo precisará de R$ 120 mil até o final da 2ª etapa

 

Alguns jogadores receberam sequer 30% da folha salarial referente ao mês de abril

 

Diante da grave crise financeira que se abateu no Santo Ângelo , o clube precisará de um aporte de recursos na ordem de R$ 120 mil até o final desta segunda fase da Divisão de Acesso marcado para o dia 14 de junho. Segundo informações prestadas ontem pelo gerente de futebol da agremiação, Valdir César Habowski, o Caçula, seriam necessários R$ 40 mil em caráter imediato e depois mais R$ 80 mil quando do encerramento desta etapa da competição.


A direção do clube missioneiro conseguiu quitar na segunda-feira, 18, apenas 30% da folha salarial de alguns dos 27 jogadores do elenco e da comissão técnica referente ao mês de abril. “Não foram todos que receberam ainda este percentual”, observa. Os salários deveriam ser pagos integralmente no dia 15 de maio, lembra o 2º vice-presidente Cláudio Somavilla da Silva, o Bilu.


Para ele, a situação é caótica e poderá provocar a saída de atletas. Conforme Caçula, atualmente a folha salarial mensal do grupo de jogadores e da comissão técnica gira em torno de R$ 55 mil.


PREOCUPAÇÃO


Outra preocupação de Caçula é que possa ocorrer a desistência de atletas de permanecerem defendendo o clube, uma vez que o campeonato se encontra na metade da segunda fase.


Ele relata que a arrecadação no clássico regional disputado no domingo passado, dia 17, entre Santo Ângelo e São Luiz de Ijuí chegou à aproximadamente R$ 17 mil com a presença de mais de mil torcedores.


Para Caçula, como se tratava de um clássico tradicional do futebol gaúcho o “público poderia ser bem maior”, comenta. Mesmo assim, ele entende que a torcida vem correspondendo com as expectativas dos dirigentes do clube. “O maior patrocinador do Santo Ângelo é o público desportista que prestigia os jogos da equipe na Segundona Gaúcha”, opina.

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar