Terceira derrota: Sinal de alerta ligado


 

O Santo Ângelo está quarta colocação na tabela de classificação da chave A da Divisão de Acesso, entre os times que estariam disputando a segunda fase. Entretan­to, a terceira derrota con­secutiva e mais uma fraca atuação fazem com que o sinal de alerta seja ligado. Além disso, no restante da primeira fase, o time mis­sioneiro possui duas par­tidas dentro de casa e três longe da Zona Sul.

 

O principal alerta vem da fraca atuação de do­mingo. Jogando no estádio Rubro-Negro contra um também pressionado Tupi o time santo-angelense foi presa fácil e acabou sendo goleado por 3 a 0.

 

O adversário tinha cin­co desfalques e mesmo assim mandou no jogo. A primeira etapa termi­nou em zero a zero, mas o time da casa teve, pelo menos, três chances cla­ríssimas para marcar. Em duas delas, com o atacante Fabiano Veiga, de cabeça e de bicicleta, acertou o tra­vessão.

 

Já o time missioneiro, para não dizer que inexis­tiu na parte ofensiva, teve um chute a gol, possibi­litando uma defesa fácil para o goleiro adversário. E só. A defesa tinha proble­mas do lado direito para marcar o rápido ataque do Tupi. Tuta, completamen­te fora de forma voltou ao time e às suas costas foi aberta uma verdadeira avenida. Além disso, o vo­lante Baiano, igualmente descontado fisicamente, não conseguia dar uma cobertura com segurança.

 

No meio, Felipinho e Vinicius Paulista pratica­mente não jogaram. Aliás, Vinicius foi um capítulo à parte. Perse­guido pelo torcedor de Crissiumal, onde jogou na temporada passada, o meia quis dar a resposta com jogadas de efeito e desperdiçou vários lances buscando aplicar balõe­zinhos ou jogar de calca­nhar. Sem a participação dos meias, os atacantes fica­ram à míngua.

 

TUPI VOLTOU DECIDIDO

 

No intervalo e na vol­ta a campo, os jogadores do Santo Ângelo deixaram claro que se contentavam com o empate. O Tupi não. O time da casa mostrou logo de cara que queria era vencer. E conseguiu.

 

Aos dois minutos, Ni­coletti cobrou uma falta no campo de defesa do Tupi e colocou a bola na cabeça de Buda, na área santo-angelense. Este escorou de cabeça e Japa marcou. Aos sete, o zagueiro cobrou um im­pedimento próximo a sua área e acionou Buda, que de cabeça marcou o se­gundo gol.

 

E aos 25, num contra­taque de quatro contra um, Dudu fechou o placar em 3 a 0. Na quarta, o Santo Ân­gelo enfrenta o Brasil em Farroupilha e o Tupi vai a Panambi. Em caso de nova derrota, o Santo Ângelo pode perder posição para o próprio Brasil, para o Pa­nambi e para o Esportivo.

 

Se os resultados forem negativos, o time missio­neiro pode encerrar a ro­dada do meio de semana na sétima posição, ini­ciando uma luta contra o rebaixamento.

 

À espera do dinheiro da Federação

 

A situação financeira segue sendo o principal entrave do Santo Ânge­lo. O clube necessita ur­gentemente de um apor­te para colocar em dia os salários de fevereiro, que ainda resta uma parte a ser quitada, e a totalida­de da folha de março.

 

No final de sema­na surgiu a informação dando conta que o presi­dente da Federação Gaú­cha de Futebol, Francis­co Noveletto, esteve na sexta-feira, 10, em Santo Ângelo, resolvendo pro­blemas particulares e que teria acenado com a possibilidade de repasse de R$ 40 mil para o clube missioneiro. Esse recurso seria o repasse de uma verba de R$ 20 mil que todos os clubes da Divisão de Acesso teriam direito e mais uma quota do mes­mo valor.

 

No início do ano, a Federação Gaúcha de Futebol anunciou um auxílio de R$ 100 mil para cada clube da Divi­são de Acesso. Entretan­to, não seria repassado dinheiro, mas sim aberto crédito junto a Federa­ção para o pagamento de taxas. Porém, depois surgiu a informação que cada clube receberia uma quota de R$ 20 mil.

 

Na manhã de ontem, os dirigentes do Santo Ângelo mostravam-se esperançosos que esse dinheiro seria repassa­do. No domingo, após o jogo, o gerente de fute­bol Caçula foi claro em afirmar que somente irá acreditar nesse auxílio quando o dinheiro esti­ver depositado na conta dos administradores do Santo Ângelo.

 

O treinador Zica Pa­gliarini mostrou-se pre­ocupado com a situação do time e na manhã de ontem chegou a pedir demissão. O pedido não foi aceito pela direção. “Começamos a despen­car na tabela e temos que ter outra atitude.

 


 

Foto: Hogue Dorneles/AT

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar