Santo Ângelo consegue uma virada espetacular


 

O Santo Ângelo con­seguiu retomar ontem à noite, no estádio da Zona Sul, em partida vá­lida pela sexta rodada da Divisão de Acesso, a vi­ce-liderança isolada da chave A após ter perdido esta posição para o Tupi de Crissiumal que venceu no domingo, dia 22, o Es­portivo por 1 a 0. O time missioneiro derrotou o Nova Prata pelo placar de 3 a 2 subindo para 11 pontos ganhos, em uma virada espetacular depois de estar com dois gols em desvantagem.

 

A torcida do Santo Ân­gelo atendeu mais uma vez o chamamento da direção do clube. A ren­da apenas na comercia­lização de ingressos na hora do jogo chegou a R$ 7.380,00 com um público calculado em 1.530 pes­soas presentes na Zona Sul. Não está ainda con­tabilizado o valor dos in­gressos vendidos com an­tecipação.

 


 

Em cinco jogos no campeonato somando apenas dois gols, o Santo Ângelo precisava aperfei­çoar o seu setor ofensivo. Para concretizar este ob­jetivo, o técnico Zica Pa­gliarini decidiu manter a dupla de ataque com Ra­finha e John Lennon.

 

E a aposta feita pelo treinador nos minutos fi­nais se deparou com uma zaga da equipe adversária bem postada em campo. O Nova Prata no início do primeiro tempo se pre­ocupou em se defender, uma vez que o time da casa não conseguia impor um ritmo rápido de jogo, principalmente entre os meio-campistas.

 

Logo depois de criar a primeira boa chance para marcar o primeiro gol, o Nova Prata inaugurou o placar aos 13 minutos e 50 segundos, através do atacante Éder Cec­con, aproveitando uma falha do setor defensivo da equipe da Capital das Missões.

 

PENALIDADE MÁXIMA

 

Aos 18 minutos e 30 segundos, o zagueiro Je­sum do Santo Ângelo cometeu uma falta no lateral direito Bottim na pequena área e o árbitro Cristiano dos Santos mar­cou corretamente a pena­lidade máxima a favor do time visitante. O volante Carlos Alberto cobrou e converteu, ampliando o placar para o Nova Prata aos 20 minutos.

 

Com melhor desem­penho, o Nova Prata aproveitava o nervosis­mo e a péssima atuação da zaga do Santo Ângelo para criar oportunidades de ampliar o marcador. Ao contrário da partida anterior quando o time treinado por Zica derro­tou o São Luiz de Ijuí no clássico, o Santo Ângelo apresentava um futebol precário.

 

O meio-de-campo do time missioneiro não conseguia articular com inteligência as jogadas para o ataque. Mas aos 35 minutos da etapa inicial, o atacante Rafinha con­seguiu descontar para a equipe da casa depois de receber um passe do la­teral Charles: 2 a 1 para o Santo Ângelo.

 

No final do primeiro tempo, o Santo Ângelo equilibrou a partida esbo­çando uma reação e pres­sionando o adversário em busca do empate, mas não obteve sucesso já que er­rava na troca de passes dos meias para a dupla de ataque. Depois de tanta insistência aos 45 minu­tos, em uma jogada pelo lado esquerdo, o ala Lucas Lima em um cruzamen­to serviu o atacante John Lennon para igualar o es­core em dois gols.

 

2º TEMPO

 

Com um esquema tá­tico diferente do primei­ro tempo, o Nova Prata veio para a etapa comple­mentar do jogo bem mais ofensivo, aproveitando os vacilos da defesa do ad­versário. Pelo Santo Ân­gelo quem se destacava era o jovem Charles, apro­veitado da categoria-de-base do Sub 19 em 2014, que fazia o trabalho que deveria ser executado pe­los meias, lançando a bola para os atacantes do time.

 

No decorrer do tempo, o Nova Prata começou a se perturbar em campo, demonstrando que esta­ria satisfeito com o em­pate já que apostava so­mente nos contrataques tentando surpreender o Santo Ângelo que caiu de produção.

 

Ao time santo-ange­lense, faltavan paciência e criatividade na cons­trução das jogadas que levassem perigo ao go­leiro Gustavo. Na metade da etapa complementar, o atacante John Lennon dribou três atletas ad­versários e quase virou o marcador, exigindo uma boa defesa do goleiro do Nova Prata.

 

DESGASTE FÍSICO

 

Os jogadores da equi­pe nova-pratense aparen­tavam um certo desgaste físico se preocupando apenas em um empate, cujo resultado lhe favore­cia. Mas quem criou pelo menos duas situações de gol foi justamente o time visitante.

 

A virada do Santo Ân­gelo surgiu aos 40 minu­tos e 30 segundos com a cobrança de uma penali­dade máxima feita pelo meia Evair. O lateral Bot­tim acertou o pé no peito de Lucas Lima e o árbitro não titubeou e assinalou o pênalti. O Santo Ângelo volta a jogar pela competição encerrando o primeiro turno neste domingo, dia 29, contra o Esportivo, em Bento Gonçalves.

 

Foto: Rogério Sartori/AT

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar