Líder de organizada do Grêmio presta depoimento e não vê racismo em cantos

 

Torcida do Grêmio segue envolta nas polêmicas pelo racismo. O líder da torcida organizada "Geral do Grêmio", Rodrigo Rysdyk, mais conhecido como Alemão, prestou depoimento na 4ª Delegacia de Polícia Civil de Porto Alegre na manhã desta quarta-feira para ajudar na identificação de torcedores que cometeram atos racistas ao goleiro Aranha, do Santos.

 

O arqueiro santista foi chamado de "macaco" por parte da torcida gremista, na última quinta-feira, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. De acordo com o comissário Lindomar Souza, Alemão defendeu a torcida gremista dizendo que os cantos com a palavra 'macaca' já existem há 20 anos e não têm cunho racista.

 

O comissário ainda esclareceu que o líder da torcida não é suspeito, mas deverá ajudar a Polícia a identificar os torcedores que praticaram os atos de racismo contra Aranha: "Não posso revelar o que ele falou para não atrapalhar as investigações.

 

Mas ele colaborou. Nos ajuda no sentido de convocar mais pessoas para esclarecimento", disse. Ainda nesta tarde, mais dois torcedores deverão comparecer à delegacia para prestar depoimento, também com o intuito de colaborar na identificação dos infratores

 

 

Foto: Getty Images/Divulgação

 

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar